Jornalismo, ativismo e democracia - Questões e práticas no cruzamento entre imprensa e minorias

Tertúlia/workshop inserido nas atividades "7 Dias com os Media"

9 de Maio, 18:00-20:00, Universidade Lusófona, Sala S.0.11

com Catarina Marques Rodrigues (Observador), Carla Fernandes (Rádio Afrolis), Fernanda Câncio (Diário de Notícias), e moderação de Daniel Cardoso (ECATI-ULHT)

Entrada livre

 

 

EVENTO NO FACEBOOK

Gravação da sessão inicial - vídeo

 {source}
<iframe src="https://www.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fdanielscardoso%2Fposts%2F10208637699054114&width=500" width="500" height="758" style="border:none;overflow:hidden" scrolling="no" frameborder="0" allowTransparency="true"></iframe>


{/source}

 Gravação da sessão inicial - áudio

{source}
<iframe src="https://archive.org/embed/JornalismoAtivismoDemocracia-ULHT" width="500" height="140" frameborder="0" webkitallowfullscreen="true" mozallowfullscreen="true" allowfullscreen></iframe>
{/source}

 

Texto de referência: Cidadania da Intimidade - Dicas para Jornalistas


 

Um dos papéis do jornalismo é a proteção da democracia e, porque não existe democracia verdadeira sem igualidade e sem respeito pela diversidade e pelos direitos de todas as pessoas, o evento que aqui se propõe - uma mistura de tertúlia e workshop - pretende abordar este tema de uma forma proativa. 

 
Portugal é um país com um profundo passado colonialista, sexista e lésbigaytransfóbico - e que se reflete num presente que ainda o é, embora de outras formas, porventura mais subtis.
 
Uma das maneiras de expressar e prolongar essas formas de discriminação é através dos media - representações caricaturais racistas, sexistas e lésbigaytransfóbicas são comuns. 
 
Também no jornalismo é possível ver traços dessas abordagens discriminatórias - através das pessoas que são ou não entrevistadas e dos enquadramentos que são ou não dados a estas temáticas sociais.
 
A literacia para os media implica também perceber como estes funcionam e, por isso, abordaremos vários aspectos: 
 
1) Qual a importância de trabalhar estes temas, para o jornalismo?
 
2) Quais os desafios profissionais e pessoais, dentro e fora da redação, ao trabalhar estes temas?
 
3) Que dicas e conselhos podem ajudar jornalistas e ativistas de minorias a trabalharem de uma forma produtiva para a democracia e para o público em geral?
 
4) Que experiências podem partilhar jornalistas e ativistas e o que podemos aprender sobre como funciona o jornalismo?
 
5) Será que existe uma divisão total entre ativismo e jornalismo, e será que ela faz sentido?
 
A dinamizar esta sessão estará Catarina Marques Rodrigues (jornalista no Observador), Carla Fernandes (jornalista na Rádio Afrolis), Fernanda Câncio (jornalista no Diário de Notícias), com moderação a cargo de Daniel Cardoso (docente da ECATI e ativista do grupo PolyPortugal).
 

Públicos-alvo

Jornalistas e outros profissionais da área da comunicação, estudantes de jornalismo e comunicação, organizações e grupos na área dos direitos humanos, ativistas