Poliamor numa perspectiva genderizada – Discriminação e preconceitos na voz de mulheres em não-monogamias consensuais

Daniel Cardoso (FCSH/UNL – ECATI/ULHT)

Inês Ribeiro (FCSH/UNL)

 

1º Congresso Internacional CIEG (26 de Maio de 2016), Lisboa, Portugal

Abstract

O poliamor surge nos anos 90 do século XX como uma identidade associada a um conjunto de práticas de não-monogamia consensuais. Visto numa perspectiva alargada, as pessoas poliamorosas vivem fora do “círculo encantado” aceitável que Gayle Rubin (2007) articulou. Porém, e graças à genderização por detrás do ‘duplo padrão sexual’, o género tem uma forte componente na forma como a transgressão da mono-normatividade afecta a vida das pessoas poliamorosas.

Estes impactos são variados, e cruzam tanto o questionamento das masculinidades hegemónicas e validação de posturas de maior equidade de género (Cascais & Cardoso, 2012; Sheff, 2005), como também a rearticulação de novas hegemonias, masculinidade e desequilíbrios nas relações de poder em contexto de intimidade (Sheff, 2006).

O corpus de investigação sobre as atitudes sociais face ao poliamor têm vindo a crescer nos últimos anos, e confirmam a existência de discriminação contra pessoas poliamorosas (e.g.: Grunt-Mejer & Campbell, 2015; Hutzler, Giuliano, Herselman, & Johnson, 2015; Johnson, Giuliano, Herselman, & Hutzler, 2015), inclusive por entre a comunidade LGBT (Cardoso, 2014).

O presente estudo exploratório parte de um inquérito por questionário aberto, disseminado por entre a comunidade poliamorosa portuguesa via bola de neve nas redes sociais. Apresentamos um recorte dos resultados, a partir das respostas dadas por pessoas auto-identificadas enquanto mulheres e/ou no espectro de feminilidade, sobre as suas experiências de discriminação, as suas percepções sobre as normas sociais genderizadas vigentes no que diz respeito a não-monogamias consensuais e as suas estratégias de gestão dessas experiências. A partir dos relatos dados, é possível entender que há uma intensa gestão de conflitos entre família, amizades e relacionamentos íntimos, e a percepção do sexismo como algo constante nas suas vidas. Um elemento central é a condenação do agenciamento feminino, expresso no tropo da mulher poliamorosa ludibriada, e no da mulher poliamorosa hipersexual.

Apresentação



Gravação áudio